Cães e Gatos: A Dessensibilização foi Fundamental!

Tá aí mais um aprendizado incrível que o contato com o adestramento #queagenterespeita nos trouxe!

A maravilhosa técnica da Dessensibilização com Reforço Positivo!

Quero muito falar mais sobre ela aqui no blog, mas hoje vou contar como fizemos a dessensibilização durante a apresentação dos Gatinhos para os cachorrinhos 🙂

Provavelmente, se você chegou até aqui é porque tá chegando um Gatinho por aí 🙂

Antes de saber um pouco mais sobre a Dessensibilização, dá uma olhada nesses posts aqui: Como nos preparamos para apresentar os Gatinhos para os Cachorrinhos? e Aprendendo a Gostar da Caixa de Transporte para conhecer os Cachorrinhos!

Seguinte!

Aqui em casa temos dois exemplares básicos de catíorrinhos: O Paz e amor, total relax e os da turma das encrencas. Nem preciso dizer que os que me preocupavam eram os encrenquinhas, né. A preocupação em relação aos gatinhos existia, mas era menor, por serem filhotes e mais receptivos ao “novo”. Nosso cuidado com eles eram: Mantê-los seguros e não assustá-los.

A DESSENSIBILIZAÇÃO…

Nada mais é do que fazer com que Gatinhos e cachorrinhos se acostumem com a presença um do outro e aprendam que ficar pertinho é muito legal e natural! Ou seja, quando estão perto um do outro, coisas boas acontecem. A ideia é oferecer vivências MARAVILHOSAS (petiscos, brinquedos, carinho, cheirinhos, ou qualquer coisa que o peludo goste muito) para os peludos, no momento que perceberem a presença um do outro.

É bem simples escrever, poético até, mas só quem convive com peludos Reativos pode entender “realmente” o quanto essa tarefa pode ser árdua. Por isso, existem algumas “regrinhas” no decorrer desse processo que são importantíssimas de serem levadas em consideração!

  • Controlar a ansiedade para ver os peludos correndo pelo casa juntinhos é fundamental!
  • Entender que todo o processo pode levar “tempo”, isso significa: semana ou meses!
  • Não desanimar. Nunca!
  • Repetir o processo de “dessensibilização” todos os dias!

No nosso caso, não dava para trazer dois gatinhos para casa e simplesmente soltá-los na sala com os cachorros.

A primeira vez que o Chachá e Bubu viram os Gatinhos pareciam que estavam em surto psicótico. Sério! A postura mudou, o olhar era quase assassino… Era muita excitação!  Naquele momento, além de começar a achar que seria muito difícil fazer dar certo… a única informação que tínhamos, era que a Dessensibilização mudaria tudo isso. Sério! Isso é muito incrível!

Então, fizemos a apresentação bem devagar, para que os cachorros entendessem que tinham bichinhos diferentes entrando para a família e aprendemos que a Paciência ajuda no processo de dessensibilizar 🙂

COMO FIZEMOS A DESSENSIBILIZAÇÃO JUNTO DA APRESENTAÇÃO?

– Os treinos eram feitos com um peludo de cada vez e com os dois Gatinhos na Caixa de Transporte, pois eram irmãos e estavam muito acostumados um com o outro. Separá-los poderia “gerar insegurança”.

– Iniciamos o treino com o cachorrinho na Guia.

– O petisco que servia de recompensa era o preferido da Vida de cada peludo. (tanto cachorros como gatos).

– Esses treininhos eram feitos várias vezes ao dia por 2 a 3 minutos cada.

01.

O primeiro passo foi fazer com que o cachorrinho conseguisse “relaxar”, um pouco, na presença dos gatinhos.

Nos primeiros treinos de dessensibilização o Chachá e Bubu ficaram totalmente focados na Caixa de transporte porque sabiam que tinha algo “estranho” dentro dela. Nesse momento, o objetivo foi manter a distância (entre eles – cão e gatos) e tirar a atenção do peludo da Caixa de transporte.

Para isso fazíamos um treino dos comandos básicos, com os cachorrinhos, na presença dos gatinhos. Pedíamos para o peludinho sentar, dar  a patinha… sempre recompensando e de maneira divertida.

Parece bobo, mas quando o peludo consegue ter esse tipo de interação com o tutor na presença do que o deixa desconfortável ele está te dizendo: Ok, estamos no caminho certo e estou relaxado porque confio em você, etão, continua, mas tenha paciência!

02.

Quando os Cachorrinhos começaram a relaxar na presença da Caixa de transporte, eles nos mostraram que a “dessensibilização” estava funcionando. Uhuuuu!  Então, começamos a estimulá-los a olhar para a Caixa de Transporte. Isso mesmo! Queríamos que eles olhassem para os gatinhos para continuar com a dessensibilização. Quando eles olhavam nós usávamos o clicker e recompensávamos. Sim! O objetivo aqui era fazer o doguito entender que quando ele olhava para aquelas bolinhas de pêlos minusculas coisas muito boas aconteciam!!!! Não é o máximo? Olha a dessensibilização acontecendo! Ora pedíamos para olhar, ora pedíamos alguns comandos básicos. Tudo junto e misturado. Neste momento eles aprendiam a olhar para os gatinhos e depois a focarem a atenção no Humano que estava fazendo o treino.

Caso o peludo não prestasse atenção nos comandos e ficasse “vidrado” nos gatinhos, era um sinal de que havíamos avançado “o sinal”, ou seja, ele ainda não estava preparado para ficar tão perto dos novos peludinhos. Paciência é a alma do negócio! Acredite! Logo,  aumentávamos a distância entre eles novamente e recomeçávamos os treinos.

03.

Aos poucos fomos os aproximando e tudo dependia da “vibe” do peludo no momento do treino. Não existe uma regra e isso pode causar insegurança no humano que está fazendo a dessensibilização. No nosso caso, teve dias que Bubu e Chachá responderam muito bem e no dia seguinte regrediram. Faz parte! Entender um pouco sobre o comportamento do peludo ajudou demais!

Um exemplo:

Aprendemos que seria difícil para os cachorros, controlar seu instinto de caça quando vissem os Gatinhos se movimentando rapidamente pela primeira vez. É da natureza do cachorro correr atrás de bichinhos que se movimentem! Então, iniciamos a apresentação (dessensibilização) com os Gatinhos parados e protegidos.

Quando os cachorrinhos ficaram mais tranquilos na presença dos gatinhos, iniciamos os treininhos com os gatinhos soltos e separados dos peludos por uma porta de vidro. Nesses treinos, a adestradora ficava com os gatinhos na sacada e controladamente fazia com que se movimentassem. Como lu? com um brinquedinho de penas, sabe? Quando ela queria movimentos rápidos intensificava a brincadeira, quando queria diminuir os movimentos diminuía os estímulos com os brinquedos. E assim os peludos viram os gatinhos fora da caixa de transporte e se movimentando pela primeira vez.

Foi muito interessante passar por todo o processo, pois Chachá, por exemplo, já estava bem tranquilo com os bichanos dentro da caixinha de transporte e quando os viu fora da caixinha pela primeira vez ficou muito nervoso, latiu, ficou bravo, enfim, cachorrinho temperamental, né!

04.

Quando percebíamos que o Cachorrinho estava tranquilo, na presença dos Gatinhos, brincávamos com ele, utilizando brinquedos como o Kong o mais perto possível da Caixa de Transporte. O objetivo era fazer com que Cachorros e Gatinhos tivessem experiências “boas” quando estavam perto um do outro.

Tudo isso, bem juntinho, ajuda a “dessensibilizar” os peludos a uma situação “que a principio” pode trazer um certo desconforto ou ansiedade 🙂 Eles passam a entender que ficar na presença um do outro é natural.

Sabíamos que precisávamos respeitar o tempo de cada um e no final tudo deu certo. O processo de aproximação passou por 7 etapas!!!!

Primeira Etapa, Aproximação do Cachorro, usando a guia, com os Gatinhos dentro da caixa de transporte.

Segunda Etapa, Aproximação do cachorro livre e sem a guia, com os Gatinhos dentro da Caixa de transporte.

Terceira Etapa, Aproximação do cachorro, usando a guia, com os Gatinhos soltos (separados por uma porta de vidro).

Quarta Etapa, Aproximação do cachorro, livre e sem a guia, dos Gatinhos soltos com uma pessoa brincando com eles para se movimentarem rápido (separados por uma porta de vidro).

Quinta Etapa, Aproximação do cachorro, usando a guia, dos Gatinhos soltos no ambiente.

Sexta Etapa, Aproximação do cachorro livre e sem a guia dos Gatinhos soltos no mesmo ambiente.

Sétima Etapa, inserimos todos os cachorros no mesmo ambiente que os gatinhos estavam, respeitando o “estado de ansiedade” de cada um. O mais tranquilo entrou primeiro e assim por diante. Lembrando que a matilha tende a copiar o comportamento um do outro 🙂

Legal né!

Nossos cachorros já estavam em processo de adestramento quando adotamos os gatinhos e isso ajudou muito, pois já estávamos usando algumas técnicas para ensinar bons comportamentos que acabamos usando muito durante a apresentação dos gatinhos. Uma delas, era reforçar os comandos básicos utilizando o “clicker”, durante os treininhos, para facilitar o aprendizado deles. O barulho do clicker já fazia “sentido” para eles. Eles sabiam que quando o barulhinho do clicker acontecia era porque estavam fazendo algo “certo” e isso significava recompensa, ou seja, eles iam ganhar o melhor petisco do mundo “na opinião deles”.

Por isso, é tão importante o cachorrinho aprender os comandos básicos como o “Fica, Senta, Deita, “NÃO”, Dar a Patinha e por aí vai. Não é para ser robozinho ou ser bonitinho e fazer truquezinhos. Quando ensinamos esses comandos nos baseando na técnica do Adestramento Inteligente, criamos uma comunicação com o nosso peludo. Ele passa a nos compreende melhor e nós passamos a ter mais controle (no sentido positivo da palavra!!!) dele.

No próximo post vou descrever o nossa experiência. Nós optamos por uma aproximação mais demorada e sem “traumas”, mas com certeza existem outras formas que também podem dar certo. A ideia aqui é sempre dividir nossas experiências e não dizer  o que é certo.

Abraços, Lu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *