Acalme seu coração porque o que é seu está guardado!

Nosso espaço ficou abandonado por um tempo, sem posts, sem assunto. Hoje, olhando para trás, consigo perceber que a vida tava virada de ponta cabeça e as emoções super afloradas. Os últimos meses foram intensos. Não foram difíceis, foram apenas intensos. Nosso Bubu nos deixou, partiu. Era previsível, seu corpinho já estava nos avisando que isso aconteceria ha tempos.

Nunca gostei de pensar na morte. E Quem gosta, né? Sei lá, saber que quem amamos pode morrer, causa arrepios. Natural e realmente não precisamos ficar pensando nisso, mas hoje entendo que é importante nos prepararmos, aos poucos, para essa dor.

Em relação aos meus peludos, lá no passado, encontrei uma forma de me preparar (pelo menos, um pouquinho) para esse momento. Sempre soube que quando um cachorrinho ou gatinho da família partisse outro chegaria. São tantos peludos precisando de um lar não é verdade? Tantos sofrendo maus tratos e sendo abandonados.

Quando Bubu partiu, levou com ele um pedacinho do meu coração. Não sou capaz de explicar o tamanho do vazio, mas vou contar um pouco do conflito que esse vazio causou.

Sempre achei que jamais compraria um cachorro novamente. Perdi a conta das vezes que justifiquei “para mim mesma” sobre os motivos que me levaram a comprar a Pedritinha e o Butikão, sem ao menos ter consciência do que estava fazendo. Ignorância, no meu caso, seria uma boa explicação.

Não sou radical a ponto de achar que não devemos comprar cachorros. Mas sou totalmente contra comprar cachorro como “nós” – Gu e eu – compramos. Às escuras, sem pensar nas matrizes, sem procurar por um criador sério. E por aí vai.

De repente, Bubu partiu e me deparei com uma vontade imensa de ter outro Gordinho em casa. Como viver sem aquele olhar, aquela carinha, aquela intensidade toda que só quem tem um Bull em casa pode entender?

Aqui começou o meu conflito!

Trazer um cachorro novo para casa é uma decisão muito séria. Trazer um Buldogue para um apartamento, onde já vivem 3 cachorros e 4 gatos é uma decisão muito mais séria ainda!

Buldogues são cachorros amigáveis e super carinhosos. Adoram brincar, são bonachões, amam crianças, vivem bem em apartamento. Tudo verdade! Porém, tudo isso que escrevi sobre Bulls é muito verdadeiro quando trazemos para casa um Bubu “equilibrado”. Isso não é só com Buldogues, não é mesmo? Mas um Bull “desequilibrado” pode exigir muito mais do seu tutor do que outros cães. Bulls, são cachorros intensos, muitas vezes podem ser teimosos, extremamente fortes. Domar uma ferinha assim quando não temos outros bichinhos no espaço é algo muito viável, agora, domar uma ferinha assim com mais 7 bichinhos por perto, pode ser até perigoso.

Não sei se você captou minha preocupação. Queria muito um Bubu na nossa família, mas para que tudo fosse tranquilo o ideal seria que ele fosse filhote ou um adulto sociável com outros bichinhos. Trazer um filhote para casa significaria comprar um filhote e um adulto sociável seria o mesmo que contar com a sorte. Quando me deparei com essa realidade o meu conflito se transformou em “angustia”. Se você me conhece um pouquinho, já sabe da minha necessidade de fazer o bem para esses bichinhos. Como comprar um filhote sabendo que tantos cachorros sofrem por aí?

Bom, comecei a considerar a ideia de resgatar um Bubu. Eu mesma, Lu, colocar a mão na massa e resgatar um Gordinho de maus tratos. Conversei com o Gu que é um parceirão. Entramos em acordo. Sabíamos que essa decisão nos levaria para um caminho mais árduo, pois as chances de resgatar um cachorro de maus tratos e saber que ele poderia não aceitar outros animais era imensamente grande.

Depois de dias com vários conflitos e uma certa angustia no peito, pensei: “Para tudo! Para de pensar nisso. Dê tempo ao tempo e tenta aquietar seu coração”. Ok, fui dormir. No dia seguinte tentei não pensar no assunto, mas a saudade estava aqui latejando no peito.

Meio que “magicamente”, no final do dia, recebi uma mensagem pelo WhatsApp sobre um Bubu Francês com necessidades especiais que estava para adoção. Fiquei comovida, claro, mas não tinha cogitado adotá-lo. Até então estava decidido que iriamos resgatar um Bubu Inglês. Ok. Fui dormir.

No dia seguinte o Buldoguinho especial não saia da minha cabeça.

Decidi entrar em contato com a moça que tinha divulgado a doação, mesmo achando que ele já teria sido adotado ou que Ela não me responderia. Inusitadamente ela me respondeu. Trocamos algumas mensagens e ela me perguntou se poderia passar o meu contato para a pessoa que estava cuidando da sua adoção. Instantes depois essa pessoa entrou em contato comigo. Conversamos muito e no final da bate-papo ela me falou algo do tipo: Lu, estava muito angustiada porque gosto muito do Hugo. Quero muito que ele vá para um lar onde possa ser amado. Meu coração ficou em paz conversando com você e se você quiser mesmo o Hugo, ele é seu!

Quase caí para trás né. E imediatamente meu coração quis explodir de alegria. Senti o Bubu pulando de alegria no meu coração.

Sério, a Vida é muito magnifica. É como se o que é nosso realmente estivesse guardado, entende?

No mesmo dia fomos buscar nosso filhote Hugo Vilelinha Zaniboni 🙂 Mais conhecido como Huguinho Paz e Amor 🙂

Tenho muitas coisas para contar e falar sobre o Hugo, mas hoje queria dividir sobre essa lição que a vida me deu… Acalme o seu coração, pois o que é seu está guardado!

É isso!

 

 

 

 

 

6 thoughts on “Acalme seu coração porque o que é seu está guardado!

  1. Lu que historia linda!!!! Você também é uma pessoa linda e inspiradora! A vida tem muita coisa guardada pra nós, silenciar a alma faz parte do processo, achar nossa paz… o resto flui! Estou amando acompanhar a vida do Hugo!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *