A Reatividade Canina no Olhar do Tutor

Reatividade: A propriedade de Reagir.

Reativo: Que Reage.

Dicionário Online de Português

Relembrar o dia em que a minha primeira cachorrinha entrou para a família me enche de convicção de que rolava uma “parceria” profunda DA MINHA PESSOA com dois substantivos de peso da nossa língua portuguesa.

Substantivo 1: CERTEZA (!) Que eu queria muito um cachorro para amar e chamar de meu.

Substantivo 2: ILUSÃO (!) Que seria tudo muito simples e prático.

Para você ter uma ideia do peso da ILUSÃO, na época, nunca tinha ouvido falar em Reatividade. Para mim, essa palavra estava muito mais relacionada com Química do que com comportamento.

Hoje, tenho dois Cachorros Reativos na família (Chaplin e Emília). Os dois são reativos, mas são completamente diferentes um do outro. O caso da Emília é bem diferente do caso do Chaplin.  Ela foi adotada já adulta e com seu “temperamento” bem formado. Chachá foi adotado mais novinho e acompanhamos o nascimento da sua “Reatividade”.

Quando comecei a perceber a Reatividade no Chachá, não tinha “noção”do que estava acontecendo. Esse inicio foi muito difícil, pois a única certeza que eu tinha era de que “Nós” precisávamos da ajuda de um profissional.

Nesta época, eu não me interessava muito por comportamento canino. Conhecia o método “Cesar Millan” e sabia que existia um tal de Dr. Pet (Alexandre Rossi) fazendo barulho por aí. Ponto. Meu conhecimento se resumia nisso.

O pouco que via pela TV me fascinava. Ensinar o cachorro através de Reforço Positivo me parecia encantador. Mas era um mundo tão, tão, tão distante que quase parecia “irreal”.

Sempre quis o melhor para os meus cães e quando decidi investir em adestramento comecei a procurar por um profissional “capacitado” para nos ajudar.  Nossas primeiras escolhas foram baseadas em indicações de outros tutores.

Resumindo esse pedaço da história.

Conheci dois adestradores em momentos espaçados das nossas vidas. O primeiro nos ensinou o básico e de uma certa forma para quem estava começando láaaaaaa do zero, já era algo bem interessante. Lá fomos nós, aprender os comandos básicos: senta, fica e corrigir o cachorro no Enforcador.

Lembro como se fosse hoje.

Ele nos perguntou sobre a coleira que usávamos e lhes mostramos a nossa Peitoral e ele falou: A primeira coisa que vamos mudar será isso! Agora vocês irão usar a coleira de pescoço.

Não entendia absolutamente NADA de comportamento canino, mas esse método me incomodava demais. Sentia que meus cachorros sentiam medo do adestrador. Ele dizia que era “respeito”.

Nessa época, Chachá não era Reativo. Ele era apenas um cachorro que não sabia controlar seus impulsos, mas não Reagia mal a presença de outros cachorros. Nosso maior desafio era o nosso Bubu, um buldogue inglês extremamente medroso.

Ficamos com esse profissional até o dia que ele nos sugeriu que “talvez”  seria necessário usar um “Extintor” para “eliminar” o comportamento do Bubu de querer avançar em skates e motos. Não preciso ser profissional da área para chegar a conclusão que um cachorro extremamente medroso como o Bubu ia no minimo “infartar” (e hoje eu sei que ia mesmo) se ouvisse o barulho de um extintor.

Ok, não tinha muito o que fazer e seguimos sem a ajuda de um Profissional. Foi nessa época que comecei a me interessar um pouco mais por comportamento canino. Passaram-se alguns meses, talvez um ano e o comportamento do Chachá começou a piorar. A reatividade de fato começou a nascer. E foi aí que entrou o segundo Adestrador. Esse era Enforcador na veia. Ficamos com ele por duas semanas e cancelei as aulinhas de adestramento.

Estava decidido. Nós iriamos para São Paulo 2 vezes por semana para ter aulinhas com a equipe da “Cão Cidadão”. Era o único adestramento com Reforço Positivo que conhecíamos. Entrei no site para entrar em contato com eles e descobri que tinha uma profissional da franquia deles atendendo na nossa cidade. Sério. Não sei te explicar o tamanho da minha felicidade, foi ENORME.

Imediatamente entrei em contato e fizemos aulinhas de adestramento por 11 meses, duas vezes por semana.

Era exatamente aqui que queria e precisava chegar! Recebemos alta do Adestramento e Chachá, apesar de ter melhorando muito, continuava Reativo.

Poxa Lu, então o adestramento foi tempo perdido?

Claro que não! No adestramento aprendi a lidar com a reatividade dele. Tive o privilegio de  presenciar uma profissional lidando com situações que me apavoravam, de maneira POSITIVA. Sem o contato com uma Especialista em Comportamento Animal  seria muito difícil me transformar na tutora que sou hoje. Nesses 11 meses passei por muitas descobertas, negações e aprendizados. Foi um processo lindo e ao mesmo tempo doloroso.

Quando o Adestramento com Reforço Positivo entrou na minha vida eu realmente acreditava que existia uma ‘formula mágica”que me levaria a uma “mudança de comportamento mágica”. Se seu cachorro é reativo eu preciso te dizer que não existe essa “formula”. O que existe neste processo de reeducação comportamental é muita, muita, muita, maaaas muita DEDICAÇÃO do tutor.

Nossa Lu, mas tá tudo muito abstrato! Dá para ser mais clara e objetiva?

Dá, claro que dá 🙂 Vou dividir com você os grandes “pilares” da minha relação com os meus cachorros e principalmente os Reativos.

  • Compreender o Gatilho (estimulo) que leva a Reatividade é Fundamental!

Quando finalizamos o Adestramento, confesso que me bateu uma grande insegurança. Receio do futuro mesmo. Eu tinha dois caminhos para seguir. Me conformar com a “Reatividade” do Chachá e seguir com os treininhos aprendidos ou Continuar com os treininhos aprendidos e buscar por mais conhecimento sobre o tema. Optei pela busca de conhecimento!

E foi aqui que me deparei com o quão complexo o processo da Reatividade pode ser! Descobri que são muitos fatores que podem causar a Reatividade em um cão. A base da sua causa na maior parte das vezes é o medo, mas fatores como alimentação, qualidade do sono, problemas de saúde como dor, genética do animal também podem desencadear a Reatividade no cão. Por isso é tão importante entender sobre o assunto para conseguir ajudar o peludo DE VERDADE.

Ainda fico um pouco perdida nessa “leitura” em relação ao Chachá e muitos aprendizados ainda estão sendo “digeridos” por aqui. Só agora, por exemplo, é que comecei a anotar (sim!!!!! Anotar mesmo!!!) em quais situações o Chachá é reativo. No caso da Emília é bem mais simples compreender o gatilho. Ela reage a cães mais agitados e se estiver com fome fica ainda mais Reativa.  Agora, no caso do Chachá é um pouco mais complicado de entender e isso renderia outro post :). Tenho certeza que um bom profissional faria isso de olhos fechados, mas ainda chego lá 🙂

  • Consegui me livrar das Broncas! 

Evito expor meus cachorros ao erro para que comportamentos ruins não sejam reforçados. E procuro ensinar os comportamentos desejáveis. Não é fácil, na verdade é bem difícil ensinar comportamentos desejáveis para um cãozinho que já aprendeu o indesejável. É preciso muita paciência e determinação. Mas funciona! E não é para o resto da vida que precisaremos evitar alguns estímulos, isso será feito até que ele mude as associações e realize aprendizados novos para seguir sua vidinha mais equilibrado.  Chachá está muito melhor durante os passeios e isso só começou a acontecer depois que deixei as Broncas de lado e adotei a postura de lhe mostrar o comportamento desejável.  Sério! Isso foi outro aprendizado que mudou nossa relação. Deixou tudo mais leve.

  • Oferecer Qualidade de Vida.

Honestamente não consigo imaginar um cachorro Reativo mudando seu “estado mental” sem ter qualidade de vida. Então vou sugerir um texto bem fofinho e esclarecedor sobre Qualidade de Vida Canina: Qualidade de Vida para Cães (O que é isso?)  

  • Passeios Diários com Qualidade

Para tudo e tente se imaginar em uma situação (estimulo/gatilho) que te faz querer quebrar tudo e que você simplesmente não consegue se controlar e tirar o foco do que te deixa estressado.

Agora,  se imagine nesta mesma situação, mas em um lugar muito agradável, tranquilo, cheio de espaço para que você possa ficar longe do estimulo que te traz desconforto e repleto de atividades que você AMA fazer. O que te deixa estressado continua ali, porém, distante. E tem tantas coisas legais para você fazer e direcionar sua atenção que super dá para deixar o estresse um pouco de lado e aproveitar o que te faz se sentir bem! Não seria muito legal deixar aquele estresse todo de lado para relaxar um pouquinho?

Claro que minha explicação foi bem simplória, mas é basicamente assim que funciona. Por isso, sempre levo meus peludos para passearem em lugares cheios de Enriquecimento Ambiental direcionados para eles e em horários mais “tranquilos”.

E o que Enriquece o passeio de um cachorro?

*Sair de casa com o cachorro tranquilo (Quando comecei a ensinar meus peludos a se comportarem no passeio um dos exercícios que fazíamos juntos era: Treininhos de Educação Canina para estimular aspectos mentais e físicos um pouco antes do passeio. Sério! isso foi muito útil  para deixar Charlie mais “Centrado”. Gastava a energia dele em casa por pelo menos 20 minutos ( com atividades mentais) e esperava ele se acalmar para colocar a guia).

*Uma comunicação saudável entre Nós tutores e o peludo. Ele nos entende e nós o entendemos!

*Coleira e Guia adequadas (A coleira não deve causar desconforto (Nunca!) e a guia não deve ser muito curta para que durante o passeio possamos proporcionar uma exploração adequada do ambiente para o peludo).

*O ambiente escolhido para passeio deve ter texturas e muitos cheirinhos interessantes. Deixar o peludo fazer o que ele gosta melhora muito a qualidade do seu passeio! O Chaplin ama água, então, se tem poça ele pisa na água. Ele ama cavar na areia. Não abro mão de alguns dias da semana levá-lo na pracinha para que possa cavar na areia do parque das crianças, mas precisa ser mais tarde com o parque vazio.

*Gosto de passear com meus cães reativos em lugares mais tranquilos e SEMPRE mantenho distância do Gatilho/Estimulo que os levam a reatividade. São os meus cães que me falam o quanto posso me aproximar do gatilho e esse limite sempre é RESPEITADO.

  • Aprendo todos os dias a Observar e a compreender a linguagem corporal do meu Cão

Eu simplesmente paro e observo o que ele está tentando me dizer e para isso eu busco conhecimento aqui na internet, em livros. Isso é fundamental! Eu sei quando o santo da reatividade vai baixar no Chachá e na Emilia. Ahhhh como eu sei! E depois disso migles eles entram no modo “Cachorro Louco”e nada mais funciona. Conhecer a linguagem corporal do meus cães me permite EVITAR o REFORÇO da reatividade! O ciclo funciona exatamente assim: Alerta = Excitação = Reação. Esses três sinais acontecem bem rapidinho, mas é muito fácil de perceber quando prestamos atenção.

  • Socialização (Quando possível)

No nosso bairro acontece diariamente e no mesmo horário um encontro de catíorrinhos numa pracinha. Levamos Chachá para socializar pelo menos 3 x por semana. Mas veja bem! Conhecemos os tutores que frequentam o lugar e o perfil dos cachorros. Isso é fundamental para que a socialização seja mais “tranquila”. Emília não socializa porque não está preparada para isso.

  • Fazer Diariamente a Dessensibilização do que causa o Gatilho da tão temida Reatividade na Rua

Proporciono vivências POSITIVAS  e muito agradáveis para os meus cães nos momentos que eles se deparam com o que lhes causa desconforto, para que aos poucos eles consigam realizar associações positivas e consigam mudar seu “estado mental” nessas situações. Bom, essa etapa é muito mais que isso. Existe uma teoria muito bem estruturada para ser seguida, mas fica para outro post 🙂

  • Treininhos de Autocontrole na Rua, em Casa e em diferentes contextos

Ensino para os meus peludos o dom da “tranquilidade”. Tarefa árdua, mas necessária. Eles aprendem diariamente que precisam esperar, com calma, para ir até onde eles querem, ou para ganhar o que eles querem.

  • Treininhos Diários de Generalização de comandos (Sempre!)

Esse é um ponto fundamental para ajudar um cachorro Reativo a mudar seu estado mental. Os Cachorrinhos não são como nós Humanos que conseguimos aprender algo novo e simplesmente levar para vários cenários da nossa vida. Quando entendi isso minha relação com meus peludos mudou. Tudo que ensino em casa, ensino de novo na rua. Realmente encaro como se eles nunca tivessem aprendido. Gu e eu usamos a mesma linguagem para ensinar os mesmos comandos para eles. Sim, nós dois ensinamos. Muitos aprendizados que Chachá teve comigo e aprendeu maravilhosamente bem ele não consegue fazer maravilhosamente com o Gu se ele não para para ensinar e por aí vai 🙂

  • Rotina Ativa! Muito Enriquecimento Ambiental (físico e mental)

Ofereço 4 refeiçoes por dia e todas no #comidanopotenão 🙂 em horários definidos. Além de algumas adaptações físicas no ambiente totalmente destinadas pra eles. Deixo Brinquedos espalhados pela casa e de dois em dois dias costumo trocar para não ficar entediante. Separo um momento do meu dia para brincar com eles. Temos Aulinhas de Educação canina para estimular o processo de aprendizado dos peludinhos. Sempre!

Ufa! Vou parar por aqui! Precisa de muita dedicação, nhe não?????

Fiz esse post pensando em cada mensagem que recebo lá no direct do nosso instagram @euvoceeoscachorros. Realmente acho muito difícil ajudar um cachorro Reativo sem o acompanhamento de um especialista da área, mas sei que muitos tutores não tem acesso a um bom profissional, como um dia não tive. Espero ter pelo menos clareado um pouquinho mais o túnel da reatividade na sua vida!

Abraços, Lu

 

2 thoughts on “A Reatividade Canina no Olhar do Tutor

  1. Obrigada pelo texto! Trouxe clareza ao tema reatividade ao mesmo tempo que compartilha experiências próprias, com as quais nos identificamos muito em razão de termos em casa um cãozinho da raça Border Collie chamado Paçoca que é extremamente reativo com outros cães, pessoas, ruídos, motos….

    1. Oi Ale. Obrigada por comentar 🙂 É muito difícil… e essas informações estão muito distantes de muitos tutores. Fico muito feliz que tenha clareado um pouco o tema. Pesquiso sobre reatividade diariamente e demorei muito para compreender tudo isso, pois na prática é um aprendizado “delicado” e com muitas percepções e precauções envolvidas. Grande abraço e muita energia aí para ajudar seu peludão!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *